Personalidades Prudentinas • Gerais

14 de Outubro de 2020

JAQUELINE MUNGO - “A experiência em Portugal tem sido intensa e incrível”

Natural de Presidente Prudente, onde nasceu há 38 anos, Jacqueline Mungo cursou Administração na Unoeste e tem o MBA em Marketing, pela Toledo, Pedagogia e Pós em Pedagogia Hospitalar, pela Facon.
Aos 17 anos atuou na agência Oficina de Idéias, seu primeiro trabalho. Foi diretora do TVShop no SBT em Uberlândia, contato publicitário e diretora do Obrigada Doutor e TV Oferta regional no SBT. 
Foi sócia da clínica Perfecta (depilação a laser em Prudente e São Paulo) Montou a Florença Forneria na Ponta da Praia em Santos. 
Após vender a pizzaria em Santos, voltou a Prudente e começou planejar o mestrado em Portugal na área de Educação e Recursos Humanos. 
“Sempre gostei de voluntariado. Já entreguei comida para pessoas na rua, tive um minuto beneficente no programa onde gravei a AACD. Participei do Operação Alegria e em Portugal foi voluntária no Santo Adrião e trabalhei com crianças portadoras de necessidades especiais. Essas experiências são gratificantes. Agora quero trabalhar na área da humanização em educação, com formação...”, diz Jacqueline.
Segundo ela, a experiência em Portugal “tem sido intensa e incrível"
“Assim que meu projeto de humanização foi aceito no hospital, a Ministra da Saúde Marta Temido, lançou um desafio duas semanas depois: a entrega em 3 meses de um projeto de humanização para todos os hospitais em Portugal. Tive a oportunidade de apresentar a intervenção e ia participar e dar formação em abril, quando paramos o estágio por causa do Covid”, relatou.
Para Jacqueline a possibilidade de morar, estudar e trabalhar em um outro país é muito diferente de apenas viajar, passar para conhecer: “É conhecer a rotina de um povo e seus  costumes, perceber o quanto eles nos conhecem, gostam dos nossos produtos, da música brasileira, filmes, novelas e entendem as nossas gírias. Percebemos o quanto são erradas algumas informações que temos no Brasil, como o país ser tão católico ou mais religioso. E que até mesmo o português pode ser muito diferente, aqui falamos português brasileiro, enfim, perceber que toda gente está errada dos outros países...
Nada é tão perfeito ou tão ruim quanto escutamos. Viver a experiência da pandemia sozinha (longe da família) foi uma oportunidade de crescimento, de dedicação ao estudo, de resiliência, de sentir que sou mais forte do que sempre imaginei e de que posso sempre realizar meus sonhos. É o que estudo e acredito, no capital humano. 
Que somos únicos responsáveis por nossa evolução e felicidade. Trabalhar nesse sentido faz toda diferença para uma vida plena e com qualidade de vida. Uma pessoa que entendi seus desejos, o mundo e realiza seus sonhos é feliz e deseja felicidade para os outros, deseja um mundo melhor. Como dizia Mandela "Uma boa cabeça e um bom coração formam sempre uma combinação formidável”
“Morar fora é sempre aprender, é se surpreender tanto para lado positivo quanto negativo. E vai depender da sua visão e atitude tornar isso um aprendizado a seu favor ou não.  Espero que consiga contribuir com o que estou aprendendo para termos um mundo melhor. Afinal, como diz Mandela novamente a educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”, concluiu.

O Imparcial
Stetnet
Willy Macedo